Irrigação e fertirrigação

Em alguns momentos podemos pensar que a irrigação vale à pena somente quando há estiagem, ou seja, falta de chuva. Mas na verdade, o que tem se confirmado cada vez mais é que hidratar a planta no momento certo faz toda a diferença para a qualidade e quantidade de produção.

O uso da irrigação é um recurso valioso para complementar a chuva natural que não vem de maneira regular. Com a tecnologia você não depende só de São Pedro para produzir.

A irrigação serve para diminuir determinados períodos de estiagem. A falta de chuva em um determinado período específico pode comprometer a colheita. Veja por exemplo, na cultura do tifton, cuja saca de 1kg gira em média R$70 (sem entrarmos no mérito do tipo de tifton específico). Para cada 1 hectare você precisará cerca de 20 sacas. Considera-se para 7 hectares por exemplo, o investimento médio de R$9.800. E se não chover após o plantio? Você perderá tudo? Ou chover menos que o necessário e não haver a produção com o volume esperado?

Por isso, a irrigação pode ser vista como um complemento à chuva natural, um investimento que mesmo em uma quantidade pequena de plantio se paga, oferecendo tranquilidade para que você possa se concentrar em outros detalhes do manejo que farão diferença na produtividade da sua lavoura.

Rodrigo Fell, produtor de leite de Estrela/RS, que conta com 250 animais na propriedade em sistema de confinamento free stall, produzindo 4.900 litros de leite dia com 130 vacas em lactação, confirma isso: “Com a irrigação conseguimos reduzir 10 dias o corte do pasto. Conseguimos fazer um corte em 24 dias e antes, sem a irrigação, chegava em 35 dias. Com o fertirrigador ECOIRRIGAT conseguimos hidratar e adubar a planta na mesma etapa e isso faz toda a diferença”. Veja no vídeo!